Podcast CBN

Afinal, qual a necessidade da arte?

23/10/2020

Mário Sergio Cortella faz uma reflexão sobre carência inútil, a arte dispensável. Ele destaca que a representação de algumas coisas da vida, ao nos distraírem - e sem nos desviarem - permite que a gente alimente nossa esperança e nossa vida. Não há nada mais fútil, mais falso, mais vão, nada mais necessário que o teatro, escreveu Louis Jouvet.

Do sublime ao ridículo é só um passo

22/10/2020

Mário Sergio Cortella cita a frase dita por Napoleão Bonaparte e faz uma reflexão sobre distância estreita, o caminho encurtado. Ele afirma que é possível, depois de um tempo, fazer com que se vá daquilo que é admirável para o que é execrável.

A capacidade de se adaptar à pandemia é resiliência ou conformismo?

21/10/2020

Mário Sergio Cortella faz uma reflexão sobre habituação benéfica, a resignação paulatina. Será que nós nos acostumamos inclusive com aquilo que é difícil, que pode ser agressivo? Nesses tempos em que estamos vivendo, a gente se surpreende, inclusive, com nossa capacidade de não desistir.

Todo sofrimento merece compaixão?

20/10/2020

Mário Sergio Cortella faz uma reflexão sobre ajuda desviante, a parceria perigosa. Ele questiona: qualquer pessoa merece o nosso apoio? e fala sobre o dilema ético que há nesta escolha. O fabulista Fredo um dia escreveu: quem presta socorro aos perversos, arrepende-se depois de algum tempo.

Com a tecnologia, ficou mais difícil esconder os malfeitos

16/10/2020

Mario Sergio Cortella faz uma reflexão sobre claridade súbita, o esconderijo rarefeito. Cada vez fica mais difícil fazer coisas no campo da privacidade porque a tecnologia traz à tona uma série de circunstâncias e situações. Nós, para o bem ou para o mal, estamos deixando rastros por todos os lados. Já diria Ibrahim Sued, Em sociedade tudo se sabe.

A difícil tarefa do professor durante a pandemia

15/10/2020

No Dia do Professor, Mário Sergio Cortella faz uma reflexão sobre docência decente, a partilha proposital. Ele destaca o momento difícil e complexo que essa atividade está vivendo, com a pandemia, e fala sobre as desigualdades de acesso no ensino. Ainda assim, tudo isso não pode desalentar. Como lembrou um dia Voltaire, servir só para si, é não servir para nada.

Precisamos entender os sinais da natureza

14/10/2020

Mário Sergio Cortella faz uma reflexão sobre aviso renitente, o alerta contínuo. O que falta para que a gente entenda que a nossa relação com o mundo, com a natureza e com o ambiente tem que ser simbiótica e reciprocamente protetiva?, questiona.

A hipocrisia não pode ser normalizada

13/10/2020

Mario Sergio Cortella faz uma reflexão sobre convicção verdadeira, a ação coerente. Ele destaca que se há algo enojador no nosso dia a dia é a hipocrisia e defende que ela não pode ser entendida como parte do jogo.

Não devemos ser levianos nem arcaicos com as crianças

12/10/2020

Mário Sergio Cortella afirma que posturas arcaicas e ultrapassadas são aquelas que relembram e retomam práticas que não tem sentido. Já atitude leviada é deixar com que crianças e jovens tenham sua conduta sem nenhum tipo de formação e de pressão. Professor defende que não podemos agir nem de uma maneira, nem de outra.

É ilusão pensar que antes tudo era melhor

09/10/2020

Mario Sergio Cortella fala sobre as pessoas que idolatram o passado e vivem uma espécie de nostalgia dos tempos que se foram. Segundo ele, isso fica evidente quando vivemos dificuldades, mas pensar assim, para o professor, pode ser um desvio de interpretação.