Podcast CBN

A alternância do ridículo é uma das coisas que dá graça a nossa existência

04/12/2020

Mario Sergio Cortella fala sobre o ridículo alternado, o desastre recíproco. Mesmo em tempos difíceis, agoniantes, ainda assim, o humor precisa e pode vir à tona.

É preciso um esforço urgente para não admitir a persistência do danoso

03/12/2020

Mario Sergio Cortella fala sobre esforço urgente, a presença incômoda. Tem coisas que precisamos tirar da frente, mesmo que exija esforço, produza desgaste.

Não basta querer, é preciso refinar a competência

02/12/2020

Mario Sergio Cortella fala sobre preparo necessário, a disposição prévia. Embora isso pareça nitidamente evidente, ainda assim é muito esquecido. Cortella acrescenta que somente desejar não é a condição da realização de algo. A competência precisa ser trabalhada, construída, edificada.

Bem que eu tinha dito...

01/12/2020

Mario Sergio Cortella fala sobre profecia posterior, a lógica evidente. Essa perspectiva leva sempre ao chamado profeta do depois da hora. Para reforçar a reflexão, Cortella cita um trecho de Guerra e Paz, de Liev Tolstói.

O belo espetáculo da livre escolha

30/11/2020

Mario Sergio Cortella fala sobre arte política, a decisão autônoma. A possibilidade da democracia ser vitoriosa independentemente do resultado final, desde que, ele tenha sido decente, correto e honroso para uma comunidade de vida.

A invenção é danosa quando o objetivo é o engano

27/11/2020

Mario Sergio Cortella fala sobre o simulacro ofensivo, a expressão quimérica. Ele faz uma reflexão sobre a ideia que engana, que procura, a partir da sua criação, falsear a realidade. Há pessoas que criam a invenção mentirosa como intenção do engano.

A arte é necessária quando a agonia é grande

26/11/2020

Mario Sergio Cortella fala sobre densidade poética, beleza imensa. Cortella explica que a ideia não é fugir da realidade, mas encontrar algo que amenize e dê forças para enfrenta-la com mais energia.

O desprezo pela perda de milhares de vidas é repugnante

25/11/2020

Mario Sergio Cortella fala sobre vida perdida, desprezo repugnante. Ele cita um trecho do livro de poemas Estação Central, do escritor alagoano Lêdo Ivo: Ouve o que te digo: está morto o vivo que esquece os seus mortos...

É difícil, mas não é impossível, é complexo, mas não é invencível

24/11/2020

Mario Sergio Cortella fala sobre horizonte distante, desejo ansioso. Cortella nos faz refletir sobre o momento atual. Apesar da ameaça de uma segunda onda da Covid-19, a esperança em uma vacina é cada vez mais forte.

A inutilidade da arrogância

23/11/2020

Mario Sergio Cortella fala sobre escala intrigante, o ciclo espantoso. Ele faz uma reflexão da ínfima importância de cada ser quando se compara com o conjunto da vida.