Podcast CBN

Os intolerantes querem exterminar os que pensam diferente

18/06/2020

Mario Sergio Cortella destaca que a diversidade é fundamental para a existência humana, mas é percebida por muitas pessoas como perturbadora. Tal sentimento pode acabar, por vezes, levando a um desejo pelo extermínio dos que são diferentes. Anatole France, um escritor francês, resume bem a questão: os homens animados por uma fé comum nada tem feito mais depressa senão exterminar aqueles que pensam diferente, sobretudo quando a diferença é muito pequena.

É ridículo fingir ser o que não se é

17/06/2020

Mario Sergio Cortella destaca que excesso de autoconfiança pode perturbar convivência na sociedade, mas lembra que a baixa autoestima também traz consequências negativas. Sobre isso, Goëthe escreveu: um erro grave: julgar-se mais do que se é e estimar-se menos do que se merece.

A fé perturbada e o proselitismo persistente que incomodam

16/06/2020

Professor Cortella fala sobre as pessoas que não se cansam de nos cansar com o proselitismo religioso e o moralismo exacerbado. Para ele, esse comportamento é típico de quem teme a si mesmo. Sobre isso, o escritor belga Henri Michaux afirmou: quem rejeitou seus demônios nos importuna com seus anjos. Quem rejeitou seus demônios, nos importuna com seus anjos

A transparência não pode ser conveniente

15/06/2020

Mario Sergio Cortella destaca que devemos manter sempre a transparência em relação aos nossos atos, o que significa que não podemos agir de forma antiética quando ninguém está nos vendo. Para Cortella, não se trata de acabar com a privacidade, mas de evitar indecências.

O amor dá mais sentido à vida

12/06/2020

A vida ganha mais essencialidade quando se pensa nas relações amorosas. Não podemos desprezar essas circunstâncias, mesmo que sejam passageiras.

Os dedo-duros têm um anonimato a zelar

11/06/2020

A covardia de quem usa o anonimato para agir às escondidas.

Os espinhos que colhi são da árvore que plantei

10/06/2020

Mario Sergio Cortella faz referência à frase do poeta britânico Lord Byron para lembrar das pessoas que machucam a si mesmas, mas depois dizem ser vítimas de injustiça ou perseguição.

A força sem legitimação se instala como opressão

09/06/2020

Não há como a sociedade viver em paz, harmonia e ordem, sem que haja o uso de uma força legitimada para conter a brutalidade. Mas, para Mario Sergio Cortella, ela só é válida quando nos protege como cidadãos.

Os exemplos de desumanidade às novas gerações

08/06/2020

Mario Sergio Cortella disserta sobre a formação invertida, as vezes em que vamos na contramão da ideia de formar crianças e jovens com práticas de fraternidade e solidariedade.

Não se pode ter uma paz enganadora

05/06/2020

O conflito faz parte do aperfeiçoamento do ser humano. Mario Sergio Cortella explica que, quando o debate está no campo das ideias, a própria democracia organiza os enfrentamentos de modo que não representem uma ruptura.