Podcast CBN

Aprendemos com o bom e com o mau exemplo

02/07/2020

Mario Sergio Cortella cita Tomás António Gonzaga, escritor português do século XVIII, para explicar que a admiração e a repulsa são dois sentimentos que nos levam a aprender. Ouça o comentário.

Excesso de elogios pode iludir

01/07/2020

Mario Sergio Cortella comenta que algumas pessoas necessitam ser elogiadas o tempo inteiro. Para ele, indivíduos com essa tendência podem acabar se iludindo com o excesso de bajulação. O Professor Hermógenes, precursor da prática de yoga no Brasil, resumiu a questão em uma frase: quem tem senso não precisa de incenso.

A pandemia evidencia nossa fragilidade, mas ensina que a união é o que nos fortalece

30/06/2020

Em momentos em que nos deparamos com circunstâncias que não podemos controlar, somos obrigados a pensar em nossa própria fragilidade. É o que o poeta romano Ovídio resumiu ao escrever que todas as coisas humanas estão pendentes de um fio tênue. Mario Sergio Cortella acrescenta que, em momentos difíceis, também percebemos que precisamos nos unir.

É necessário ter cuidado com a falsa generosidade

29/06/2020

Algumas vezes, atos que parecem generosos ou altruístas podem ser motivados por interesses escusos. Mario Sergio Cortella destaca uma frase do escritor francês La Rochefoucauld sobre o assunto: o interesse fala tudo que é língua e representa tudo o que é personagem, mesmo a do desinteressado.

A paz não é impossível e deve começar nas nossas mentes

26/06/2020

Mario Sergio Cortella ressalta que a paz é um dos ideiais mais buscados pela humanidade ao longo da história e que a construção dela é trabalhosa, mas possível. Para ilustrar a questão, Cortella cita um trecho da constituição da Unesco: como as guerras começam na mente das pessoas, é na mente das pessoas que as defesas da paz devem ser construídas.

A fraqueza da força é só crer na força

25/06/2020

A frase do escritor francês Paul Valery nos lembra que a brutalidade só se sustenta pela própria brutalidade, como explica Mario Sergio Cortella. Na análise dele, a dominação apenas pela força tende a se esgotar ao longo do tempo.

O mundo está cheio de gente boa que por toda parte só vê gente que não presta

24/06/2020

Mario Sergio Cortella lembra que é muito comum encontrar pessoas que criticam outras, mas não têm clareza sobre as próprias atitudes. Para ele, tendência a apontar erros apenas nos atos dos outros, além de ser um desvio de compreensão, é arrogante.

A glória não é absoluta e precisa ser reavaliada

23/06/2020

O movimento que pede a remoção de estátuas em vários países nos lembra que a avaliação sobre as coisas é relativa e historicamente situada. Mario Sergio Cortella cita o escritor Joaquim Nabuco para lembrar que a glória é um processo de apuração que nunca para: um dia, os imortais se unirão aos anônimos no esquecimento final.

Ameaças devem ser combatidas rapidamente para que não se tornem incontroláveis

22/06/2020

Mario Sergio Cortella destaca que é preciso prestar atenção no que diminuto sendo no início, traz dano imenso se cresce liberto. Ou seja: o que ameaça nossa integridade deve ser combatido rapidamente. Uma passagem da obra de Shakespeare ilustra a questão: um pequeno fogo, que se apaga com facilidade, quando tolerado, nem por rios se deixa extinguir.

O êxito é relativo

19/06/2020

Nos últimos dias, temos assistido a um movimento de revisão da história de algumas figuras famosas. Mario Sergio Cortella cita o filósofo alemão Arthur Schopenhauer para explicar, ainda, que alguns grandes feitos acabam ficando perdidos no passado, enquanto grandes obras ? principalmente as escritas ? tornam-se perenes.