Podcast CBN

A fé, a boa-fé e a má-fé

18/06/2021

Mario Sergio Cortella fala sobre credulidade induzida, a boçalidade voluntária. Comentarista faz uma reflexão de quando a ignorância não é inocência, mas pecado.

“É necessário cuidar da ética para não anestesiarmos a nossa consciência e começarmos a achar que tudo é normal” Mario Sergio Cortella

Os critérios não podem ser imutáveis

17/06/2021

Mario Sergio Cortella fala sobre critério inválido ou a validade relativa. Há coisas que não são aceitáveis. Não se pode admitir de uma pessoa aquilo que não é correto, mesmo que se tenha por ela muito amor.

O perigo de ter uma conduta ambígua entre os bons e os maus

16/06/2021

Mario Sergio Cortella faz uma reflexão sobre atitude ambígua, a prática distorcida. Existem situações em que temos que agir em uma direção, mantendo o prumo no que entendemos correto. No entanto, às vezes há uma ambiguidade na nossa conduta que não pode ser aceita como sendo decente. Vittorio Buttafava, escritor italiano, um dia escreveu: Todos amam os bons, mas os exploram. Todos detestam os maus, mas os temem e lhes obedecem.

Um alerta contra a negociata dos princípios

15/06/2021

Mario Sergio Cortella faz uma reflexão sobre venalidade expressiva, decência negociada. Ele destaca que existem algumas circunstâncias em que pessoas são capazes de fazer a mercantilização de princípios e valores. Em sua obra Sátiras, Juvenal escreveu: Em Roma, tudo se compra.

Os danos provocados por uma pessoa incompetente no poder

14/06/2021

Mario Sergio Cortella faz uma reflexão sobre competência ausente, o preparo limitado. Comentarista destaca que chegar ao poder é menos complexo do que o exercício em si. Ele cita Antônio Machado, que disse: tirar a batuta de um maestro é tão fácil quanto difícil é reger com ela a quinta sinfonia de Beethoven.

O amor também precisa de evidência

11/06/2021

Na véspera do Dia dos Namorados, Mario Sergio Cortella faz uma reflexão sobre evidência amorosa, a farsa complexa. É possível até trazer farsas no campo amoroso, mas elas desmontam com certa facilidade e vem à tona o que é o fingimento. No século XVII, o escritor francês François de La Rochefoucauld já dizia que não há disfarce que possa esconder por muito tempo o amor quando existe, nem simulá-lo quando não existe.

A forçação de barra para justificar o injustificável

10/06/2021

Mario Sergio Cortella faz uma reflexão sobre argumento forçado, a alegação conveniente. Algumas pessoas apresentam justificativas para um determinado modo de prática, mesmo que não haja razoabilidade no que é apresentado. Públio Siro, em sua obra Sentenças, escreveu: Quem decide praticar um mal, encontra sempre um pretexto.

A subserviência não é uma fatalidade

09/06/2021

Mario Sergio Cortella faz uma reflexão sobre atitude servil, a subserviência reprovada. Pessoas que sabem o que devem fazer, mas ainda assim fazem numa direção inversa. E o argumento que mais se usa é que não há escolha, não há outro caminho que não seja assim. Píndaro, uma vez escreveu: Dizem que é infelicíssimo quem reconhece o bem, mas é obrigado a manter-se longe dele

A ética é a estética de dentro

08/06/2021

Mario Sergio Cortella faz uma reflexão sobre decência autêntica, conduta medonha. Ele destaca que quando dizemos que uma pessoa é horrorosa, não estamos nos referindo à estética. Pessoa horrorosa é aquela que enfeia a vida, e que não faz o que deveria ser feito no campo da proteção.

Será que já chegamos ao pior momento da pandemia?

07/06/2021

Mario Sergio Cortella faz uma reflexão sobre agonia restante, o momento decisivo. Ele destaca uma frase de Shakespeare, que diz: Ainda não é o pior / Enquanto pudermos dizer: Isto é o pior.